domingo, 5 de junho de 2011

um dia diferente, muito igual











como eu já desconfiava, fazer 18 anos não é nada de especial. muitas foram as pessoas que me perguntaram "então, como é que te sentes ao ser maior?" ao que eu respondia, com a maior das normalidades, "é igual a ontem". e é verdade. é tudo igual. a roupa não muda, não se cresce em altura, não se sai de casa [como eu pensava nisso, quando era pequena], não se fica rico nem tão pouco os pais nos deixam fazer o que queremos, visto que ainda vivemos debaixo das suas alçadas. a única coisa que muda, é o votar ou não, o que não é uma coisa que me desperte particular interesse, visto que era muito mais interessante que o meu armário se enchesse de roupa a triplicar ou que crescesse uns quantos centímetros, que bem preciso. a questão não se encontra no sair de casa e viver sozinha, nem no fazer o que quero, mas resume-se a entender que a maioridade não se ganha num dia, nem tão pouco o respeito e a responsabilidade, porque quanto a isso, ainda tenho muita coisa para aprender cá em casa. é por isso que digo que foi um dia diferente mas, no fundo, igual, porque nada mudou, ainda que pudesse mudar a vida de alguém. eu pude dar um tanto do amor que tenho a quem o tem a menos, eu pude sentir-me maior, não em idade, mas na alma, no coração. não estive com quem queria [não com toda a gente], não pude fazer ontem um jantar ou uma festa que fosse, para comemorar esta data que vai ficar na memória, quaisquer que sejam os motivos pelos quais isso acontece. nem toda a gente se lembrou de mim, e confesso que senti saudades do carinho de algumas pessoas para comigo, mas com o tempo também se aprende que a vida é mesmo assim, nem sempre os outros estão dispostos a fazer o mesmo que nós estamos, e às vezes há que perdoar isso e entender que não foi por mal. também não tive tempo de ir comprar algumas das prendas que as pessoas deixam ao meu critério, tal como gostava. ainda assim, compreendi que vou ter todo o tempo do mundo para o fazer, relembrei momentos maravilhosos da minha infância (por parte dos meus pais, claro), comi num dos meus restaurantes predilectos (e comi bem, porque as calorias dos aniversários não contam), gostei imenso dos presentes que já recebi e fui-me deitar muito, mas muito, muito feliz. e se ter 18 anos, ser maior e ter responsabilidades (tudo a seu tempo) significa ser feliz, então eu vou gostar muito do mundo da maioridade.

4 comentários:

Tânia Gil disse...

Eu comecei agora a recuperar os episódios que perdi (: não concordas comigo acerca do Rufus e da Lily?

Parabéns :D

trintona disse...

Primeiro que tudo muitos parabéns do teu aniversário! :) Desculpa o atraso, são do coração!
Realmente fazer 18 anos não é assim tanta a diferença. Agora és responsável pelos teu actos.
Não leves a mal, mas com 18 anos nós ainda somos muito "putos"! E ainda bem que assim é! Tens tempo de crescer, de ter responsabilidades, de sair de casa, de ficar rica.
18 anos, não é assim tão diferente dos 17, mas aproveita-os bem porque são do melhor! :)

Cheerio disse...

Quando somos crianças pomos os 18 anos num pedestal, mas no fundo é só mais uma meta da nossa vida e o que importa é mesmo a felicidade =)*

Danii disse...

Ainda bem que passaste um dia agradável e divertido. Que esses 18 anos sejam melhores que os que estou a passar agora :)