quinta-feira, 14 de julho de 2011

mas chateia

Tumblr_lnly8bcgal1qezwmho1_500_large
nunca fui uma fã daquelas mesmo adictas por qualquer coisa, seja por bandas, seja por séries, seja por quem seja. e quando digo fã adicta refiro-me a todo aquele processo de transformação que algumas pessoas sofrem ao descobrir o seu fascínio por alguma destas coisas que referi: peças de roupa, sapatos, o quarto, a maneira de ser... tudo à maneira da série, da banda ou do que quer que seja que lhes tira a sanidade. eu não fui assim (e acho que devia agradecer por nunca me ter dado para tal coisa). mas quando o caso se chama Harry Potter, e ainda que não saia à rua com uma cicatriz na testa todo o santo dia (nem que o carnaval durasse o ano inteiro), tenho tudo o que é livros (em inglês e português), tudo o que é filmes (e edições especiais também não faltam) e sei todas as falas do primeiro filme (é por isso que, quando está para chegar um filme ou um livro novo, ninguém me atura a repetir constantemente cada frase a que acho mais piada). entrei nesta coisa toda quando foi lançada, devia eu ter coisa de uns 8 anos e gostava tanto, tanto, que chegava ao ponto de ter pesadelos com o livro mas, mesmo sabendo que não ia dormir, corria para ele com imensa vontade de ler mais umas páginas assim que acordava (olha que bela maneira de enfrentar os medos). hoje em dia, ainda que tenha a idade que tenho, sou capaz de devorar aqueles filmes como se tivesse a mesma idade que no ínicio (e sou capaz de dissuadir qualquer pessoa a vê-los comigo vezes e vezes sem fim), era capaz de repetir a leitura dos livros over and over e sei que, desta vez, não vou deixar passar o fim de tudo sem ir, pelo menos, três vezes ao cinema (e é aqui que se vê o meu poder de persuasão). não gosto de fins, muito menos de coisas a que me habituei, aquelas que achei fantásticas e que depois têm de acabar. é por isso (e como fã quase-adicta que sou) que já fiz questão de reservar a minha santa cadeira no cinema, garantir a primeira das minhas três (ou mais) companhias e aproveitar a última das últimas partes desta coisa que me acompanha desde que me (lembro que me) conheço - e é por isto que digo que nunca vou crescer, shame on me.[mas o que me dá ainda mais cabo dos nervos é o facto de o Smallville estar a acabar também: não, não é o fim do mundo, mas que tantos fins chateiam uma pessoa, chateiam.]

7 comentários:

Lady C disse...

Tínhamos oito anos quando tudo começou, lembro-me tão bem... É incrível como crescemos a acompanhar estes filmes e agora acabam para sempre. Nunca consegui ler os livros, mas adoro os filmes e não me canso de os ver :)

Metropolitana disse...

Tinha 6 anos quando li o meu primeiro livro. E o primeiro livro foi o Harry Potter e a Pedra Filosofal. Fiquei apaixonada e até agora adoro! É daquelas paixões que não tem fim. Tenho 20 anos e falo do harry com um brilho nos olhos e muita gente não me compreende. Não quero saber. Adoro e sinto-me triste por ter chegado ao fim se bem que para mim nunca é o fim. Vou continuar a ler os livros e a ver os filmes. Sou capaz até de me registar no Pottermore e dar continuidade à grande história. Harry Potter para sempre! Disso sei que estou certa!

Manuela disse...

Querida Susana, afinal também gostas muiiito de algumas coisas e isso não quer dizer que seja obrigatoriamente, addict. Eu é mais malas e sapatos ;)

Rita disse...

Não conhecer a saga é excluir em exodo de cultura mundial, nao ha duvidas.

Rita disse...

O que eu queria ter ido ver Coldplay, ninguem imagina!

Danii disse...

Estou completamente de acordo! Vai ser tão triste ver e saber que é o último episódio de uma saga que nos acompanhou ao longo do nosso crescimento! Apesar de a JKR dizer que se lhe der na telha volta a escrever sobre ele, não vai ser a mesma coisa depois de ver esta que será a última parte do filme :x
Este texto deu-me uma vontade enorme de rever os filmes todinhos e acho que é o que vou fazer agora :p

Aileen disse...

Adorei o teu blog:)
estou a seguir*
Eu até os livros do Harry Potter levava para o banho* (não sei como nunca molhei nenhum); um vicío incessante :)