sábado, 3 de outubro de 2009

passei para levar umas coisas

eu não percebi.
ainda não absorvi a informação que preciso para sair de casa, mas não quero ficar muito tempo com a porta entreaberta. nem sei o que quero. não sei nao sei não sei. sou uma pequena pedra, que tenta voar ao sabor do vento, mas demsiado pesada para conseguir. talvez.
é submissa a forma como tento mostrar-me que acabou uma fase da minha vida. agora é que o enjoo começa. eu tentei, ser mais forte que o teclado. eu juro que sim. mas não há nada como ficar só, por dois entretantos, para que algo seja mais forte que eu. por norma, quem toma decisões deve saber o que quer. o que deseja, seja qual for o limite do sonho. mas eu não. quiçá, a única coisa que sei, é que queria ser a Adrianna do Navid, a Lana do Clark, a Sara do Michael ou a Meredith do Derek. se calhar o que eu precisava, era um AJ na minha vida de Grace. e é agora que chega o riso para disfarçar o choro. é irónico, como eu sei que já fui a Joey de um Dawson. E agora sou uma estúpida qualquer. dá vontade de rir, não dá? everyone belongs to someone.

mas se o meu Dawson não me trata como Joey, nem o meu McDreamy como Meredith, então, eu só posso colncluir que sou ingénua. sou-o. de todas as vezes que perdoo erros crassos, ou fecho os olhos à postura rude do mundo, e ainda quando compro publicidade enganosa. mas sou eu. e a Grace não tem mãe, e o pai morreu no espaço, e ainda assim, adivinhem? o querido AJ não trespassa o mundo para as costas dela. a Joey gostava do Pacey, e ainda assim.. o Dawson nunca se mostrou fraco e vulnerável, muito menos deixou de ser honesto ou leal. estou farta de exemplos, porque nenhum vai ser o meu. muito menos o teu. agora já posso ir, e escapulir-me de casa, sem ser preciso saltar janelas ou improvisar cordas com lençóis. isso, já não sou eu. agora, eu saio pela porta da frente. não odeio ninguém. aceitei.

'five stages: denial; rage; bargain, depression; acceptance.'

1 comentário:

Débora disse...

podes não ser "a" "dele" ou "ele" tratar-te como faz a "ela", se é que me entendes, e sim este mundo está completamente ao contrario.
mas aquele, o certo, é sempre o ultimo a chegar, don't give up.