sábado, 5 de novembro de 2011

one

já quase faz um ano que estás cá, e eu não podia estar mais feliz em ter-te ido buscar naquela noite chuvosa antes do Natal. custou-me pouco tirar-te à tua mãe e aos teus irmãos (esta veia egoísta que se apodera de mim tem de acabar), porque sabia que ia ser mais feliz com um pequeno rato (naquela altura) a andar pela minha casa. hoje, e depois de 12 meses de vida, estou-me sempre a perguntar: será que ela é uma cadela feliz aqui? e agora eu sei a resposta. sei que és a cadela mais mimada, mais carinhosa, mais comilona (comes tudo o que te aparece à frente, tipo comprimido), mais bonita e que vais ser sempre o bebé pequeno cá do sítio (pequeno, como quem diz). e não me importo que não possas ter pedigree, não me importo de dizer que és um labrador com cores misturadas (porque és), e não te trocava por nenhum outro cão de uma cor só. não me chateia que já te tenhas habituado a comer a ração aquecida, que gostes de dormir na minha cama (e que me roubes as mantas todas, durante a noite), que tenhas o teu lugar no sofá, que às vezes mandes mais no meu quarto do que eu, que não gostes de passear com a trela, que odeies lavar os dentes e tomar banho, que tenhas medo de cães mil vezes mais pequenos que tu, que sejas a minha sombra para qualquer lado que eu vá ou que comas as minhas meias. e apesar de existirem dias (é que há dias e dias) em que me apetece expulsar-te dos meus pés, fechar-te a porta na cara quando dás uma de perseguidora, não te levar à rua porque estou demasiado cansada e não brincar contigo e com os teus 137248 brinquedos, eu nunca sou capaz de o fazer. porque descobri, através de ti, que o amor é uma coisa maior que o mundo, é uma coisa que não se importa em ter a roupa cheia de pêlo, é uma coisa que nos faz ter medo de perder o que é nosso. e tu já fazes parte de mim. compreendes os meus laivos de mau-humor e és capaz de levar com eles todo o santo dia, mas voltas sempre a gostar de mim sem respingar. é por isto que eu digo que toda a gente devia saber o que é amar desta maneira - ter alguém assim na vida vale tudo, apesar dos dias em que não estamos com a mínima paciência para ninguém. e se não for para aprender o que é estar 24 sobre 24 horas com medo de chegar a casa e não estar lá o melhor amigo (neste caso, amiga) que podemos ter, que seja para saber a resposta à pergunta - porque eu já sei que tu és feliz aqui, e não há nada que me deixe mais preenchida.

4 comentários:

Green disse...

Os animais são realmente uma óptimas companhia e conseguimos nutrir por eles um imenso carinho, sem dúvida nenhuma.

▼ Danii disse...

Ohh, que texto mais amoroso! Mais uma vez sei bem o que te vai na alma, sei bem o que é sentir que temos alguém que goste realmente da nossa companhia à nossa espera em casa. Que por muito que estejamos chateadas, com elas nunca vamos deixar de dar aquele carinho, falar daquela maneira meiga e sensível. Oh, é tão bom ter animais $:

Rita disse...

Ai que paixão! LINDA LINDA LINDA!

mari disse...

e o teu cão é um docinho **