domingo, 7 de outubro de 2012

Vamos tentar

não passar vinte horas por dia a achar que estamos a cometer um erro. Mas sim aproveitar as quatro que restam, a dar pulinhos por causa de uma mensagem ou a pensar no que pode vir a ser bom. E se correr mal, que erremos, mais uma vez.